Como comprar

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Homenagem a MINHA MÃE!


Porque eu IDOLATRO a minha mãe?
Porque depois de tudo o que ela já passou nesta vida, poderia ser hoje uma pessoa amarga, descrente, triste, desanimada, mas não é nada disso. Minha mãe é feliz, calma, tolerante, tem uma fé inabalável e um amor que transborda...

Casou-se com o grande amor da sua vida, aos 34 anos, sofreu um aborto, perdeu o meu irmão Cleber quando ele tinha apenas dias de vida. Após 2 anos de casamento, meu pai descobriu ter um tumor no cérebro e minha mãe descobriu estar novamente grávida, desta vez era eu...

Nasci saudável, mas o meu pai já sucumbia à maldita doença... Convivi com ele apenas alguns meses, neste período a doença já havia lhe tirado os movimentos da parte direita do corpo e ele já não tinha mais forças para me carregar. Minha mãe, então, me colocava deitada ao lado dele e ele cantava para mim “O coisinha tão bonitinha do pai, ela vale ouro, todo meu tesouro. Tão Formosa da cabeça aos pés... tesouro, vale ouro... agradeço a Deus porque te fez”  música imortalizada na voz de Beth Carvalho e que choro sempre que ouço, é o meu elo com ele.

Quando completei 6 meses, uma crise o atingiu e ele foi para sua última cirurgia, não voltou mais, sua luta terminou ali.

Minha mãe se pôs de luto e por um ano vestiu-se de preto, um direito seu, era sua dor, o seu grande amor que foi embora... minha mãe nunca mais amou, nunca mais se relacinou com homem algum e ainda hoje chora ao falar do meu pai.

Poucos anos depois, minha avó, já idosa e com mal de alzeimer, sofreu um grave derrame, deixou de andar e falar e para atender a um desejo, de quando ela era lúcida e aos pedidos dos irmãos que ainda viviam em Monlevade, minha mãe aceitou retornar para Minas Gerais.

Foram tempos difíceis, morávamos em dois cômodos, eu, minha mãe, minha avó e minha Tia Mainha (que viveu consco a vida toda, minha 2º vozinha) sem qualquer tipo de conforto e o tempo da minha mãe era 100% dedicado aos cuidados com minha avó...

A adolescência chegou e com ela a rebeldia, não aceitava viver daquela forma, se tínhamos em SP um pequeno apartamento que meu pai deixou e que estava emprestado. Foram muitas brigas, muitas lagrimas minhas e da minha mãe, que não sabia reagir a situação...

Quando fiz 14 anos, minha avó se foi e assim minha mãe voltou a trabalhar fora. Conseguimos alugar uma casinha e fomos montando com dificuldade nosso cantinho. Mas 3 anos depois veio a decisão mais cruel, me separar da minha mãe e Tia Mainha, para poder cursar a faculdade em SP, considerando que eu não teria condições de cursa-la em BH (como a maioria dos meus amigos fazia).

Parti, sofremos muito com a distância, por mais que eu me esforçasse para visitá-la todos os feriados. Em São Paulo, trabalhei, fiz faculdade, pós-graduação e convivi com a família do meu pai, que me apoiou, me fez pensar grande, amadurecer e me tornar mais segura.

Enfim, depois de 7 anos voltei... minha mãe conseguiu se aposentar e juntas conseguimos deixar a nossa casinha aconchegante...Há dois anos vivo em BH com o meu “namorido”, mas quase todo final de semana volto para o colo da minha mãe...

Lá sempre será o meu refúgio e juntas sempre seremos mais felizes, eu, ela, minha Tia Minha e nossos peludos somos um elo só.

Não herdei da minha mãe a serenidade, compreensão e tolerância. Sou explosiva, temperamental e às vezes peco por isso. Mas herdei dela o que eu tenho de melhor, minha fé, minha solidariedade, minha compaixão e minha esperança...

Minha mãe e minha Tia Mainha (menininha de 94 aninhos, hihih)...

6 comentários:

  1. Ai flor, que linda homenagem!!! Me emocionou viu... que história de vida, de garra, de superação, de amor... de fé!!! Que sua confiança em dividir isso com a gente aqui na internet seja retornada com o meu mais sincero AMOR por vc e sua família, que DEUS os abençoe smepre... bjos,

    ResponderExcluir
  2. Minha doce Karen! O que antes era, prá mim, um espaço virtual e fútil, se transformou num lugar especial, onde posso conhecer pessoas tão doces e queridas como vc! Sua homenagem a sua mamãe é de arrepiar, pois foram etapas muito difíceis vividas juntas e com muito amor. Tudo isso, incluindo o colo do seu pai, construiram o que vc é hj! Obrigada por compartilhar um pouco de sua vida conosco! Sua tia é uma fofa!
    Mande mil beijinhos para as duas!
    Bjs,
    Lis

    ResponderExcluir
  3. Karen, fiquei muito emocionada ao ler o post. A sua mãe é uma guerreira mesmo porque não foi uma vida nada fácil. Foi uma lição de vida !Ela poderia ser uma pessoa triste e infeliz mas escolheu ser feliz e cheia de amor e te ajudou a ser essa pessoa solidária e cheia de disposição para acolher e ajudar os animais e tenho certeza que você é dedicada às pessoas também. Eu entendo bem a sua situação durante a adolescência porque minha filha sempre teve de tudo e ainda reclama, imagino se não tivesse conforto como ia ser.
    Vocês deixaram um passado difícil para trás e ainda existe um futuro cheio de amor e felicidade para as duas e sua família. Desejo tudo de bom para vocês e que vivam unidas por muitos anos. Parabéns às duas !
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir
  4. Oiee..,
    Que linda homenagem! Parabéns pela mãe de garra que vc tem.
    Adorei seu blog e principalmente o Bob... ele se parece muito com o meu Bob que morreu no ano passado; ao ver essa foto, me deu uma saudade do meu!Já estou te seguindo, porque como vc, eu também amo animal; na páscoa adotei um que pareceu todo machucado no meu portão, inclusive a próxima postagem vai ser sobre ele.
    Bjos e que sua quinta seja iluminada e muito produtiva.

    ResponderExcluir
  5. Oii! Aquele endereço do meu blog estava dificil para as pessoas acessarem, por isso, criei um novo blog e gostaria que vc seguisse, por favor: http://mundorosadanina.blogspot.com

    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu tinha escrito um comentário antes de o Blogger entrar em manutenção e o coment. não voltou mais.
    Só queria dizer que você é uma pessoa muito especial, passou por muitas dificuldades e superou todos os obstáculos para se tornar uma mulher íntegra, solidária e amorosa. Te admiro muito, confesso que tive uma adolescência maravilhosa e ainda reclamava de tudo e minha filha faz a mesma coisa. Mas o sofrimento nos faz crescer e amadurecer e agora você só vai ter alegrias na vida.
    Fico feliz em saber que sua mãe sempre foi feliz e cheia de amor, dê meus parabéns a ela porque eu não sei se eu teria conseguido seguir em frente depois de tudo isso.
    Vocês merecem muito amor e felicidades !
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir